Archive | setembro 2012

O lugar mais alto que eu quero estar…

É sempre um desafio trazer as impressões de algo vivenciado coletivamente. Precisava de alguma forma, registrar tudo o que experimentamos, desfrutamos e apreendemos nestes 03 dias que passamos juntos. Ainda estou sem voz, mas inspiração não falta, para dar a vez deste texto:

No primeiro dia, mochilas, malas, trânsito e euforia… Gastamos praticamente o dobro do tempo para realizar o percurso até o local esperado. Tipo o povo no deserto sacam? Calor, sem água e uma galera inquieta, desesperada pra chegar na terra no sítio prometido rsrs.

De repente, entre pescadas e cochilos – eis que surge um grito da chegada…

Abraços e saudações fraternas às outras tribos. De agora em diante, estávamos todos no mesmo arraial: membros da Família da Fé de:

São Caetano, Parque São Lucas, São João Clímaco, Santo André, Vila Industrial e Praia Grande.

Hábitos, Costumes, Pessoas, Diversidade…

Claro que isso gera conflitos, divergências e leves estranhamentos. Pensam que é fácil aguentar aquele ronco no alojamento? E aqueles que usavam o banheiro e “esqueciam” de dar descarga? – Sem sombra de dúvidas que coisas assim só aconteciam no Q.G masculino, não é mesmo meninas?!

Contudo, ficou marcado: “Aquilo que no une, é maior que aquilo que nos separa”.

A noção de unidade, logo viria nos receber, desde a primeira manhã. Inesquecível aquela ambiência…

A manifestação do poder de Deus nos conduziu integralmente. O conteúdo das mensagens era acumulativo. Sentia realmente estar sendo alimentado pelo Espírito Santo, que pairava sobre as águas geladas da piscina, sobre as crianças (adolescentes, jovens e adultos) brincando no gira-gira, no futebol da quadra e no campo, no vôlei do gramado…

Na tarde de sexta, o pastor Marco promoveu um bate papo com o tema “Sexo é bom pra cara…”. Iniciativas como esta, são sempre dignas de elogios. Notável a aderência das pessoas que interagiram positivamente – perguntando, argumentando, pensando…

A mensagem noturna era um convite às vestes de santidade. Certamente, a ação do próprio Divino, já sinalizando o que estava pra ser feito naquele lugar. E a festa só estava começando…

A presença de Deus contagiava de forma plena. Confesso que estou até agora sob o efeito das bombas de bexiga d’água. Também não poderia negar: deu medo quando lançaram aquela cortina de fumaça no quarto das meninas. Rsrsrs

Já no fim da tarde, Marco (Brito e suas ideias) me convidou pra fazermos um painel, onde conversamos sobre o “Ser Humano & o Ser Cristão na modernidade”. Penso que o diálogo fluiu… Caso não, estamos abertos às sugestões, críticas, protestos e afins povo…

No culto da noite, o pastor Willian trouxe uma ministração impactante. Após mencionar os frutos do Espírito (Gálatas 5.22), demonstrou numa ação tocante – a importância de nos desarmarmos do nosso Eu, tendo (literalmente) o exemplo da atitude de lavar os pés dos discípulos.

Linda a Lua…

Seguíamos na adrenalina da partida de ping pong. O vôlei noturno e os tantos violões e vozes que louvavam o Eterno em todo o acampamento…

Com a bateria praticamente esgotada, preferi não dormir e comungar com os participantes na vigília. Renovados ficamos! Amor, Poder e mais Dele em nós. O pastor Genival compartilhou a reflexão da madrugada: “Era passado da meia noite”- (confira em Juízes 7) e assim, traçou um paralelo entre o que o Senhor fez com Gideão e o povo quando desceram ao “acampamento”, tocaram as trombetas e “quebraram os jarros”… – tempo do povo se quebrantar…

Adoração com muita qualidade e diversidade nestes dias:

A multiforme Graça configurava a programação. Cada dia, o louvor era conduzido por diferentes pessoas das Comunidades de Fé presentes – ou mesmo um mix disso tudo (Particularmente, achava o “tudo junto e misturado” os mais belos).

O Reverendo Magalhães enfatizou a extrema importância da Unidade no Reino… Não era pra menos: foi essa unidade que proporcionou a explosão de Amor que me deixa até agora pensando:

Meu Deus! Como faremos pra manter isso fora daqui?

Confissão, Adoração, Santificação, Oração, Intercessão, Comunhão, Gratidão, são palavras que me vem à cabeça…

Depois disso, uma divertida caça aos monstros (ou seriam traficantes encapuzados?)  – provas, enigmas, estratégias… Gosto disso! Aprendia com as pessoas e pensava quão difícil é conduzir um rebanho. Era necessário toda hora, apascentar a turminha para que ninguém dispersasse…

Ah, só pra não esquecer: VermelhOoo! VermelhOoo! VermelhOoo!

Outra Lua magnífica…

Numa madrugada de ping pong, espumas e bexigas, além de um luau fantástico que rolava dentro do salão de jogos. Já estávamos sem voz, mas a harmonia permanecia notável – o Criador estava em nosso meio.

Enquanto isso, na mesa de bilhar…

No sábado pela manhã – e não menos surpreendente. Entre o sono nunca compensado e os sonhos que estavam atrasados, fiquei realizado ao ouvir o sermão da manhã. O pastor Claudemir enfatizando que “o poder de Deus se aperfeiçoa em nossas fraquezas”. Daí pra frente, despertei – mesmo bocejando infinitamente. O testemunho sincero da Viviane atingia diretamente meu coração. Sem nenhuma dose de sensacionalismo, louvava a Deus emocionado pelo exemplo de superação, de autoestima e determinação – que só no amor de Jesus é possível alcançar. Há milagres que ocorrem na alma e um espírito forte mostra os seus frutos nas ações do cotidiano. Viviane, você me inspira!

Na noite de sábado, o Pastor Gustavo trouxe elementos essenciais para o culto racional e a libertação da nossa mente. Devemos ter a mente de Cristo (vide II Coríntios 11.3), pois, constantemente, são lançadas tentativas malignas de nos atacar: no campo das ideias e mesmo em nossos desejos. Por isso, é imprescindível “pensar sobre o quê estamos pensando”. Lembrei de uma música do Fruto Sagrado que diz: “só Jesus tem o poder de me livrar do quer guardo no porão da minha alma”. Fica difícil descrever o que aconteceu ali… Há anos não presenciava/sentia algo semelhante…

Já era madruga quando fomos dormir – mas não chegamos a ver “o pôr do Sol pela manhã”, se é que me entendem. Soube de um grupo que queria ver o pôr do Sol no começo da manhã. Pode isso? Rsrs

Muitas fotos, brincadeiras, risadas e colchões espalhados – juntava cada vez mais um povo que nunca foi separado. Cheguei a imaginar: talvez essa comunhão seja um ensaio do céu… Viver desta maneira é estar mais próximo da essência da Igreja.

Pra completar a festa: pessoas batizadas com o Espírito Santo recebiam o dom de Línguas (Glossolalia). Glorifiquei… Porém, antes resolvi pedir perdão pela incredulidade, por achar que isso só havia acontecido na Igreja Primitiva. Fui sensibilizado pelo próprio Consolador à recordar que a primeira vez que recebi a experiência de falar em línguas, estava orando no sofá de casa…

Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre! (Hebreus 13.8).

Após tudo isso, almoço. Quase ninguém sabia que tinha macarrão né?

Refazíamos as malas e os preparativos para o retorno, quando alguém apareceu no quarto e gritou:

“Cuidado! Olhem embaixo das camas pra não esquecerem nada!”.

A única coisa que não quero, é esquecer-se dos momentos que vivemos naquele lugar. Nem das pessoas que participaram comigo daquilo que Deus preparou para cada um e cada uma de nós naqueles 03 dias.

Por isso…

O lugar mais alto que eu quero estar…

É prostrado aos teus pés, Senhor!

Galera, muito obrigado… Amo vocês, pela mente, na fé e de coração…

Vinny,

Soli Deo Glória!

Foto: Vinnícius Almeida

Lua de Sábado do Sítio Maranata